domingo, 1 de outubro de 2017

Separatistas italianos apoiam plebiscito na Catalunha !

Em vista do plebiscito pela independência da Catalunha, secessionistas da província autônoma de Alto Ádige, na Itália, penduraram uma grande bandeira da região espanhola nas ruínas do Castelo Maultasch, em Terlano.
A homenagem pode ser vista à distância a partir do vale do rio Ádige, entre a capital Bolzano e Merano, outra importante cidade altoatesina. Os separatistas dessa província do extremo-norte da Itália acompanham “com interesse” o plebiscito catalão, já que ele poderia representar um caminho para a independência do Alto Ádige.
Essa zona do país da bota abriga movimentos secessionistas que pregam sua anexação pela vizinha Áustria ou a criação de um Estado independente – a província fala majoritariamente alemão, mas o italiano predomina em algumas cidades, como Bolzano.
Após dia de atos contra e a favor e com escolas ocupadas, Catalunha se prepara para plebiscito sobre independência
A véspera do referendo convocado pela independência da Catalunha foi marcada, em diversas cidades da Espanha, por protestos contra e a favor de uma possível separação da região autônoma.
O governo catalão - controlado por separatistas - quer declarar independência se o "sim" vencer no plebiscito marcado para este domingo. Já o governo central espanhol considera a votação ilegal, e a Justiça ordenou sua suspensão.
Madri, capital do país, foi palco das maiores manifestações contrárias à realização do referendo. Estima-se que cerca de 10 mil pessoas passaram pela praça Cibeles, onde fica a prefeitura. Muitas empunhavam bandeiras da Espanha e faixas com dizeres como "Catalunha é Espanha".
Mesmo em Barcelona, capital catalã, houve atos contra a consulta. Milhares de pessoas se reuniram na praça de Sant Jaume, onde ficam a prefeitura e o Palau de la Generalitat, sede do governo regional.
Desde a noite de sexta-feira, mais de 160 escolas foram ocupadas pacificamente por defensores do plebiscito. Mais da metade das 2.315 que funcionariam como seções eleitorais foram fechadas pela polícia.
Para tentar impedir a consulta popular, centros de votações e de contagem de votos estão sendo interditados pela polícia, que foi orientada a recolher urnas e cédulas.
O centro de telecomunicações da região também está sendo monitorado para evitar o voto eletrônico no pleito e o governo central determinou que a Polícia Nacional reforce a segurança na Catalunha e dê suporte à força local, a Mossos d'Esquadra.
Muitos pais decidiram acampar com seus filhos nas escolas na tentativa de assegurar a realização da polêmica consulta, que o governo central quer evitar de qualquer maneira. Apesar da ordem para desocupar todas as seções eleitorais, pais e filhos passaram a tarde de sábado participando de brincadeiras lúdicas nas escolas ocupadas pelos pró-plebiscito.
Ainda assim, o clima é tenso na região e não se sabe como a polícia vai reagir neste domingo, quando milhares de eleitores vão poder responder a uma única pergunta: "Você quer que a Catalunha se torne um Estado independente na forma de uma República?".
O que, afinal, despertou a busca pela independência dessa região de 7,5 milhões de pessoas - e será que ela será concretizada?
1) Como se chegou até aqui?
A Catalunha, cuja capital é Barcelona, é uma das regiões mais prósperas e produtivas da Espanha, e sua história tem quase mil anos.
Antes da Guerra Civil Espanhola (1936-1939), a região já tinha ampla autonomia em relação ao governo central, mas isso mudou com a ditadura de Francisco Franco (1939-1975).
Quando Franco morreu, o nacionalismo catalão reacendeu, e a região voltou a gozar de autonomia sob a Constituição de 1978.
Uma legislação de 2006 garantiu ainda mais poder ao governo regional, dando à Catalunha o status de "nação" - mas isso foi revertido em 2010 pela Corte Constitucional espanhola.
Em 2015, separatistas venceram a eleição governamental e decidiram realizar o referendo deste domingo - com base em uma votação não oficial de novembro de 2014, quando 80% dos votantes deu sinais de apoio à independência catalã
Ignorando a Constituição, que diz que a Espanha é indivisível, o Parlamento catalão aprovou o plebiscito em uma lei de 6 de setembro.
Segundo a lei aprovada pelo parlamento regional, o resultado é vinculante - ou seja, caso a maioria vote pelo sim, a independência supostamente terá de ser declarada pelo Parlamento dois dias depois de a comissão eleitoral catalã anunciar os resultados.
2) O que pensa o governo central?
Uma frase do premiê Mariano Rajoy resume o mal-estar de Madri, sede do governo central, com a situação: "Digo isto com calma e firmeza: não haverá plebiscito; ele não vai acontecer".
A pedido de Rajoy, a Corte Constitucional espanhola suspendeu a lei aprovada pela Catalunha. Desde então, o governo espanhol tentou aumentar seu controle sobre as finanças e políticas da região.
Em resposta, o presidente catalão, Carles Puigdemont, afirmou que "a Espanha suspendeu na prática o autogoverno da Catalunha e colocou em prática um estado de emergência".
Para as autoridades da Catalunha pró-independência, um alto índice de comparecimento às urnas é essencial para dar legitimidade ao pleito - e, por isso, o governo central em Madri tenta de todas as formas impedir a realização da consulta.
3) Qual será a validade do plebiscito?
Na prática, um plebiscito sendo ativamente suprimido pelo governo e considerado ilegal dificilmente será visto como livre ou justo.
Partidos leais à Espanha estão boicotando a votação deste domingo, então é possível que os votos pelo "não" estejam subrepresentados.
Madri está tentando tirar a legitimidade do evento - cartazes foram retirados pela polícia e autoridades envolvidas com o pleito foram alvo de multas pesadas. O site oficial da consulta foi bloqueado (ainda que possa ser acessado de fora da Espanha).
Ainda assim, será muito difícil para Madri ignorar o pleito dos separatistas caso os eleitores catalãs compareçam às urnas em peso.
4) Os catalães realmente querem ser independentes?
Só 2,2 milhões de eleitores (de um total de 5,4 milhões) compareceram à votação de 2014 - que, assim como o pleito deste domingo, foi considerado ilegal por Madri. Organizadores estimam que 80% dos votantes de três anos atrás defendiam a independência.
No último 11 de setembro, dia nacional da Catalunha, uma multidão tomou conta das ruas de Barcelona num protesto pró-separatismo.
No entanto, uma pesquisa de opinião encomendada pelo próprio governo catalão em julho sugeriu que 49% da população catalã se opõe à independência, contra 41% a favor.
A urgência do governo catalão em realizar o referendo pode ser explicada em parte pela percepção de que o apoio à independência pode estar em queda. Ao mesmo tempo, a oposição do governo central ao pleito reascendeu os ânimos por parte dos defensores do separatismo.
5) Quais os argumentos da Catalunha para defender o separatismo?
A demanda é antiga. A Catalunha tem sua própria língua, história e uma população equivalente à da Suíça (7,5 milhões de habitantes).
Ao mesmo tempo, trata-se de uma região vital do Estado espanhol, ao qual pertence desde o século 15, e - segundo defensores da independência - sujeita a campanhas repressivas periódicas para ficar mais "parecida" à Espanha.
6) Por que exatamente agora ocorre a campanha pró-independência?
O retorno da Espanha à democracia trouxe prosperidade, e Barcelona se tornou uma das cidades mais populares da União Europeia - famosa pela Olimpíada de 1992, pela arquitetura, pelo futebol e por sua vocação ao turismo.
Mas a crise espanhola de 2008 atingiu a Catalunha em cheio, elevando o desemprego na região para 19% (a taxa nacional é de 21%).
A região, que abriga 16% da população espanhola, responde por quase 20% do PIB do país - e existe entre os catalães a sensação de que o governo central não provê suficientemente a região para recompensá-la por isso.
Esse sentimento de injustiça estimulou a campanha pró-independência e, quando a Justiça espanhola restringiu os poderes catalães em 2010, o clamor por secessão aumentou.
7) Esse sentimento de injustiça tem embasamento na realidade?
De fato, parece que Madri recebe mais do que devolve - embora a complexidade das transferências orçamentárias dificulte o entendimento claro de o quanto mais os catalães contribuem à Espanha em impostos em relação ao que recebem de volta em serviços.
Dados de 2011 governo espanhol indicam que a região pagou 8,5 bilhões de euros (R$ 31,8 bi) a mais do que recebeu. Segundo o governo catalão, essa cifra é na verdade 11 bilhões de euros (R$ 41 bi).
O investimento estatal na Catalunha caiu, mas muitos argumentam que esse modelo de alocação de recursos é comum em países que, como a Espanha, têm grandes disparidades regionais de renda e desenvolvimento.
8) Há espaço para um meio-termo?
Há pressão para isso. A Confederação Espanhola de Organizações Comerciais (CEOE, na sigla em espanhol) pediu em comunicado "uma atitude construtiva para evitar que (o referendo) afete a coexistência social e a prosperidade econômica".
O presidente catalão Puigdemont propôs suspender o referendo deste domingo se ele puder ser substituído por uma votação que seja reconhecida como legítima. "(Madri) deve definir como e quando os catalães poderão votar, para que sentemos e fechemos um acordo a respeito", afirmou.
O governo central, que não dá nenhum sinal de que pretenda contemplar um referendo legal, pode em contrapartida oferecer mais dinheiro e autonomia aos catalães, segundo disse o ministro da Economia espanhol, Luis de Guindos, ao jornal Financial Times.
"Se os planos de independência forem abandonados, podemos conversar", afirmou ele.

Fonte: https://undhorizontenews2.blogspot.pt/

Invasão à Coreia do Norte pode começar a qualquer momento !

Os exercícios militares dos EUA e da Coréia do Sul estão em preparação para a inevitável invasão da Coréia do Norte. Com todas as ameaças do regime e seus mísseis nucleares de longo alcance recentemente desenvolvidos, os exercícios deste ano são possivelmente uma cobertura para uma invasão total. No caso em que invadiremos, prepare-se para a potencial retaliação nuclear.

Fonte: https://undhorizontenews2.blogspot.pt/

sábado, 30 de setembro de 2017

Espectro do teste nuclear atmosférico norte-coreano provoca planos de emergência em Seul e Tóquio !

Spectre of N. Korean atmospheric nuclear test prompts emergency plans in Seoul & Tokyo
Bancos sul-coreanos e empresas de serviços públicos estão elaborando planos para construir blindagens e potencialmente movimentar operações no exterior para se protegerem contra a Coréia do Norte, já que uma provocação adicional de Pyongyang é esperada em 10 de outubro.
Bancos sul-coreanos e instalações vitais de infra-estrutura, incluindo usinas de energia nuclear e ministérios, teriam sido hackeados por Pyongyang no passado. E à medida que as tensões na região aumentam, muitos agora temem que o regime norte-coreano conduza um teste nuclear atmosférico para coincidir com o 72º aniversário da fundação do Partido dos Trabalhadores da Coréia em 10 de outubro.

O governo sul-coreano alertou quinta-feira que o vizinho do norte era "altamente provável" para continuar as provocações militares na construção das celebrações de outubro.

"Os regulamentos atuais proíbem a transferência de informações de clientes no exterior, por isso estamos discutindo maneiras de revisar essas regras para que possamos configurar centros de backup de dados no exterior", disse um funcionário da Comissão de Supervisão Financeira citado por Chosun.

"Eu entendo que é um aniversário importante para a Coréia do Norte. Nós gostaríamos de manter uma sensação de urgência ", disse o ministro japonês da Defesa, Itsunori Onodera, citado pela The Japan Times.

Uma explosão nuclear ou um dispositivo de pulso eletromagnético projetado especificamente pode criar surtos de corrente e tensão em dispositivos eletrônicos enquanto corrompe dados armazenados digitalmente, representando um grande risco para instituições financeiras baseadas no Sul.

As armas nucleares de alta altitude são mais difíceis de interceptar do que as armas destinadas a atingir alvos no chão e produzir uma onda gigante de elétrons que se espalha para fora através do campo magnético da Terra, criando um pulso eletromagnético que, por sua vez, pode levar a surtos de 10.000 volts ou mais dentro da grade elétrica.
As sanções da ONU, que o regime norte-coreano denominou "o excremento sujo dos reacionários da história", foram aumentadas nos últimos meses após uma série de testes de mísseis balísticos nucleares e intercontinentais pela nação reclusa.

No entanto, especialistas em segurança e energia nuclear alertam para que o Norte ainda não tenha capacidade técnica para realizar um teste nuclear atmosférico, ampliando ainda mais a ameaça dada a quantidade de variáveis.

"Estamos falando sobre colocar uma ogiva nuclear ao vivo em um míssil que foi testado apenas um punhado de vezes. É verdadeiramente aterrador se algo der errado ", disse Vipin Narang, especialista nuclear do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, como citado pela AP.
Para o contexto, uma explosão nuclear a uma altitude de 60 milhas afetará um raio de 700 milhas que eleva a ante significativamente se o Norte decida seguir as ameaças para exercer seu músculo militar em resposta à retórica abrasiva de Donald Trump e aumento da pressão internacional em Pyongyang.

Um teste nuclear atmosférico também representaria uma grande ameaça para aeronaves e embarques na região, já que o governo norte-coreano provavelmente não emitirá aviso prévio.

"Embora eu esteja certo de que tal lançamento seria muito alarmante para as pessoas no Japão, há pouco que os Estados Unidos ou o Japão poderiam fazer", disse Jeffrey Lewis, especialista em controle de armas dos EUA no Middlebury Center of International Studies at Monterey, como referido pela AP.

Fonte: https://undhorizontenews2.blogspot.pt/

O Plano Militar para limpar todos os Muçulmanos de Myanmar !

"Esta aldeia é uma zona livre de muçulmanos", lê um sinal pendurado na entrada de uma aldeia em uma área de Myanmar, fora do estado de Rakhine. As ordens são direcionadas para a população Rohingya do país, uma etnia de cerca de 1,3 milhão que vive principalmente em Rakhine e que foi descrita como a "minoria mais perseguida do mundo".
Não é difícil ver o porquê. Desde 1992, o governo mianmarense impôs fortes restrições aos Rohingyas. Se eles querem viajar de uma cidade para outra, eles devem passar aos pontos de controle de imigração e, para isso, a administração deve conceder-lhes permissão.
Como os pedidos são regularmente recusados, os Rohingyas se isolaram no seu próprio país:
"Eles nos mantiveram em prisão ao ar livre por mais de 25 anos. Desde 1978, eles estão se propagando e são cérebro lavando o público que essas pessoas estão invadindo o país, que são imigrantes ilegais do Bangladesh ", diz Nay San Lwin, ativista e blogueira que adotou o prefixo" Ro "nas redes sociais para identifica-se como Rohingya.
"Esta é a nossa terra natal", ele continua. "Nós lhes demos um canal aberto para debater conosco, mas ninguém se atreve a debater com a gente porque eles sabem que estão mentindo".
"Nós entramos na terra de Rakhine antes do século VII, então os Budistas Rakhine nos invadiram no século XI. Aqueles que viviam na parte sul foram expulsos do lado sul para o lado norte. [Então eles disseram] estas pessoas estão invadindo nosso país do lado norte. É semelhante à história de Israel e da Palestina, pois sabemos que os palestinos se tornaram como os imigrantes ".
Como muçulmanos, os Rohingya já vivem em um país maioritariamente budista, mas os militares, diz San Lwin, querem que Myanmar seja "puro budista". Para conseguir isso, eles aumentam a tensão entre os budistas e os muçulmanos e tentam forçar o Rohingya a fugir:
"Rakhine tem dois ou três grupos insurgentes lutando pela terra. O governo birmanês sempre cria problemas comunais e os mantém ocupados para que eles sempre estão lutando com os muçulmanos e eles não têm tempo para lutar com o governo birmanês ".
Além disso, os Rohingyas estão impedidos de entrar em certas profissões; eles são discriminados no sistema educacional, nos serviços de saúde e quando praticam sua religião.
Quando Myanmar ganhou sua independência do Reino Unido em 1948, os Rohingya foram reconhecidos como um grupo étnico oficial e gozavam de direitos civis cheios. Mas em 1974 o governo lançou a operação Jasmine e tirou sua cidadania e cartões de registro nacionais.
Depois de ter efetivamente tornado apátridas, cerca de 270 mil Rohingyas fugiram do país. De acordo com a lei de cidadania de 1982, o governo pediu a todos que se candidatassem a um novo cartão de cidadania, muitos dos quais foram recusados ​​com base em que Myanmar não os reconheceu como um dos seus 135 grupos étnicos.
Em 2001, San Lwin deixou Myanmar legalmente para trabalhar na Arábia Saudita porque naquela época seus pais eram funcionários do estado e tinham cidadania. Mas, eventualmente, a embaixada deixou de renovar seu passaporte, tornou-se apátrida e ele migrou para a Europa.
Uma onda de violência particularmente viciosa contra o Rohingya começou em agosto deste ano, quando os militares lançaram uma operação "antiterrorista", batendo, estuprando, atirando e torturando Rohingyas e queimando suas aldeias.
Se você contar os Rohingyas que já fugiram do país, existem aproximadamente 800.000 que estão buscando refúgio no vizinho Bangladesh. Os vídeos postados em mídias sociais capturam centenas de Rohingyas andando pela lama e água com os pés descalços, seus pertences se reuniram em fardos nas costas.
Grande parte da raiva foi direcionada a líder de fato de Myanamar e a premiada com o Nobel Aung San Suu Kyi, que não conseguiu condenar os abusos do exército e rotularam os terroristas rohingya, argumentaram que os militares são vítimas de uma campanha de desinformação e até mesmo acusaram mulheres de relatar violações falsas.
Suu Kyi parece ser indiferente à sua longa queda da graça. Mais de 400 mil pessoas assinaram uma petição on-line para tirá-la o prêmio da paz, liderada por aqueles que fizeram campanha por sua libertação no final da década de oitenta, quando foi presa domiciliada por seus esforços para levar a democracia a um país vivendo sob uma ditadura militar e foi, consequentemente, reverenciada como símbolo da paz.
"Ela também era minha heroína no passado", diz San Lwin. "Nós a apoiamos, todo Rohingya a apoiou; nossa expectativa era que a situação dos Rohingya mudaria se ela chegasse ao poder. Mas, infelizmente, o contrário está acontecendo. Fizemos muitas campanhas quando estava sob prisão domiciliar - demonstrações no Reino Unido e na França, petições on-line, celebramos seu aniversário ".
Quando Suu Kyi fundou a Liga Nacional para a Democracia (NLD) em 1988, muitos Rohingyas se juntaram a sua festa no norte do estado de Rakhine, disse San Lwin. Na eleição de 1990, quatro candidatos do norte de Rakhine ficaram de pé, mas não ganharam principalmente porque os Rohingyas tinham seu próprio partido político.
"Todos os membros da Rohingya receberam os cartões de identidade da festa e, nesses cartões, o nome Rohingya foi claramente mencionado. Agora, todos esses membros do partido são negados a existência deles ", diz ele.
Entre 1948 e 2015, os Rohingyas gozaram de seus direitos de voto completos e foram eleitos para o parlamento. Enquanto Suu Kyi estava sob prisão domiciliar, um dos fundadores da filial da NLD no município de Buthidaung, U Kyaw Maung, foi preso repetidamente por inteligência militar e torturado até a morte por se recusar a se demitir do partido.
San Lwin não pensa que haja qualquer Rohingya que ainda apoie Suu Kyi:
"Ela nunca tomou o lado do povo Rohingya ou as outras minorias étnicas. Ela não quer perder sua posição porque ela lutou por muitos, muitos anos para conseguir essa posição, é por isso que ela não está condenando [a violência]. Por outro lado, ela tomou o lado dos militares, o que significa que ela está contra nós. Também está negando a nossa existência ".
No geral, a cobertura de notícias no Ocidente das últimas atrocidades tem sido bastante precisa, conta San Lwin. No entanto, a Índia - onde a islamofobia está aumentando e odiando crimes contra muçulmanos estão aumentando - está bombeando muitas novidades falsas, enquanto a China é simplesmente uma máquina de propaganda para o governo de [Myanmar], diz San Lwin.
Oficialmente, o governo de Mianmar não está permitindo que nenhum repórter - ou não oficialmente qualquer ajuda - no estado de Rakhine, mas no início desta semana, a mídia chinesa visitou a área.
"Uma das razões pelas quais eles estão queimando todas as casas e limpando a terra é que eles têm um acordo com a China", diz San Lwin.
O projeto de zona econômica especial Kyauk Pyu de US $ 10 bilhões acordado entre a China e Myanmar verá as tubulações de petróleo e gás construídas no estado de Rakhine e foi criticada por ativistas que questionam a terra de quem será apropriada para a construção e onde as pessoas que moram lá irão .
San Lwin acredita que o principal motivo de toda essa violência não é necessariamente esse projeto. Nem é a aparência física do Rohingya, nem o seu grupo étnico ou a língua que eles falam. O problema, diz San Lwin, é a sua religião.
Grupos étnicos como o Dainet ou o Marmagyi compartilham a aparência física, a língua, a tradição e a cultura dos Rohingyas poréma não são muçulmanos, por isso são reconhecidos como grupos étnicos oficiais e receberam direitos de cidadania completa. Outros muçulmanos no país, diz San Lwin, também estão sofrendo:
"[Os militares] têm um plano para acabar com todos os muçulmanos no país. Este é o plano de longo prazo. Em 20 anos, depois de terem limpado toda a população Rohingya, haverá outra limpeza étnica das outras minorias muçulmanas no país ".

Fonte: https://undhorizontenews2.blogspot.pt/

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

Trump faz outra ameaça imprudente contra a Coréia do Norte !

Em outro ato de absoluta imprudência, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trumpyesterday, novamente ameaçou a Coréia do Norte com destruição se não conseguisse capitular completamente às demandas de Washington. Ao declarar que a ação militar não é apenas uma opção, mas pode ser iminente, ele está implacavelmente empurrando a Península da Coreia, a Ásia e o mundo em direção ao precipício de uma guerra calamitosa.
Falando em uma conferência de imprensa da Casa Branca ao lado do primeiro-ministro espanhol, Trump advertiu:
"Estamos totalmente preparados para a opção [militar]. Não é uma opção preferida. Se tomarmos essa opção, será devastador. Posso dizer-lhe isso. Devastador para a Coréia do Norte. Isso é chamado de opção militar. Se tivermos de assumi-lo, vamos ".
Em meio a suas repetidas ameaças militares belicosas, Trump nunca explicou o que ele consideraria como a "opção preferida". Ele repetidamente demitiu a conversação com a Coréia do Norte. Suas tiradas contra o acordo 2015 de desnuclearização com o Irã efetivamente descartaram um acordo similar com Pyongyang.
Só pode-se concluir que a Trump espera que a Coréia do Norte abandone seu arsenal nuclear e se submeta a um sistema de inspeção em constante expansão e intrusiva como o precursor de um fluxo interminável de demandas adicionais para manter a linha de Washington em casa e internacionalmente. Em outras palavras, Pyongyang deve se submeter voluntariamente a se tornar um vassalo americano.
Além disso, mesmo que a Coréia do Norte concordasse com esse futuro, não há garantia de que isso evite uma guerra com os militares mais poderosos do mundo. O regime de Pyongyang está muito bem ciente do destino dos líderes iraquianos e líbios depois que eles concordaram em abandonar as chamadas armas de destruição em massa, reais ou fictícias, apenas para enfrentar um ataque militar liderado pelos EUA.
Além disso, quando os funcionários da Casa Branca falam de um fim "diplomático" ou "pacífico" para a situação com a Coréia do Norte, está sempre carregado de ameaças de guerra. Falando na Índia ontem, o secretário de Defesa James Mattis enfatizou que os EUA estavam buscando uma solução diplomática. Ao mesmo tempo, ele declarou que o apoio dos militares aos "nossos diplomatas" serviria apenas para "manter o maior tempo possível no domínio diplomático".
O próprio Mattis deixou claro que o tempo está se esgotando para Pyongyang para ceder. Na segunda-feira, Trump advertiu sem rodeios o ministro das Relações Exteriores da Coréia do Norte, Ri Yong-ho, que ele e o líder do país, Kim Jong-un, "não estarão por muito tempo".
A única conclusão que pode ser feita em Pyongyang é que o país enfrenta um ataque iminente dos EUA e deve atuar em conformidade. Ri escreveu isso na segunda-feira. Ele advertiu que as ameaças de Trump significavam que Washington havia declarado a guerra e a Coréia do Norte seria obrigada a assumir contramedidas militares.
A administração do Trump também está rapidamente apertando a noção econômica em torno da Coréia do Norte, montando o que é efetivamente um embargo total destinado a colapsar a economia do país e provocando uma aguda crise política em Pyongyang. O Tesouro dos EUA anunciou ontem novas proibições em oito bancos norte-coreanos e 26 indivíduos, visando sufocar o acesso de Pyongyang ao sistema financeiro internacional.
Washington já não faz a menor pretensão de que as sanções visem os programas nucleares e de mísseis da Coréia do Norte, e não o país e sua população como um todo. Na semana passada, Trump emitiu uma ordem executiva abrangente que autorizava o Tesouro dos EUA a cortar qualquer país ou empresa que fizesse negócios com a Coréia do Norte do sistema financeiro americano. A ordem é dirigida em particular contra a China, que é, de longe, o maior parceiro comercial da Coréia do Norte, e também a Rússia, que contrata dezenas de milhares de norte-coreanos como trabalhadores convidados.
Ao anunciar as últimas proibições, o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, declarou:
"Estamos direcionados a bancos norte-coreanos e facilitadores financeiros atuando como representantes para bancos norte-coreanos em todo o mundo"
No entanto, ao aplicar essas proibições, Washington também está visando os países nos quais essas entidades operam, nomeadamente a China, a Rússia, a Líbia e os Emirados Árabes Unidos. Todas essas nações agora enfrentam a ameaça de penalidades dos EUA contra suas economias.
Estas sanções americanas unilaterais, que já foram impostas a várias empresas chinesas, ressaltam o fato de que, ao ameaçar a Coréia do Norte, os EUA estão se preparando para um confronto muito maior com a China, que considera como o principal obstáculo à sua supremacia mundial.
Isso foi sublinhado pelo presidente geral dos Chefes de Estado-Maior dos Estados Unidos, Joseph Dunford, que afirmou ontem que a China "provavelmente representa a maior ameaça para nossa nação por volta de 2025". Ele citou o crescimento econômico e a expansão militar da China, que ainda é prejudicada pela economia americana e despesas de defesa.
Ontem, a China apelou novamente por uma redução das tensões na península coreana. O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Lu Kang, disse que Pequim esperava que Washington e Pyongyang percebessem que "mostrar uma demonstração de indignação e uma provocação mútua só aumentarão o risco de confronto e reduzirão o espaço para manobras de políticas". Ele alertou:
"Uma guerra na península coreana não terá ganhadores e seria ainda pior para a região e os países regionais".
As observações de Lu ecoaram o domingo no ministro russo das Relações Exteriores, Sergei Lavrov. Lavrov declarou que, se os EUA não diminuírem,
"Podemos cair em um nascimento muito imprevisível e dezenas, senão, centenas de milhares de cidadãos inocentes da Coréia do Sul, mas também da Coréia do Norte, é claro, e o Japão sofrerá - Rússia e China estão próximas".
Confrontados com o perigo da guerra na sua porta, Rússia e China estão se preparando de acordo. Na semana passada, as marinhas russa e chinesa iniciaram um exercício de treinamento conjunto de oito dias no Pacífico em áreas próximas à Coréia do Norte. Esta semana, as forças armadas russas começaram um grande exercício da força aérea no Extremo Oriente russo, perto de sua fronteira com a Coréia do Norte.
Através de suas ameaças constantes e provocações militares, o governo Trump criou deliberadamente uma situação explosiva no Nordeste Asiático. Ao encaixar a Coréia do Norte em um canto diplomático, econômico e militar, o regime instável em Pyongyang está sendo estimulado a tomar medidas desesperadas que Washington irá explorar para lançar uma guerra criminal de aniquilação que poderia arrasar rapidamente em outros poderes de armas nucleares como China e Rússia.
Fonte: https://undhorizontenews2.blogspot.pt/

Estratégias de Superpotência rival -Terceira Guerra Mundial com a China !

Esta peça foi adaptada e expandida do novo livro de Alfred W. McCoy, The Shadows of the American Century: The Rise and Decline of US Power Global.]
Nos últimos 50 anos, os líderes americanos estão extremamente confiantes de que poderiam sofrer retrocessos militares em lugares como Cuba ou Vietnã sem ter seu sistema de hegemonia global, apoiado pela economia mais rica do mundo e pelos melhores militares afetados. O país era, afinal, a "nação indispensável" do planeta, como a secretária de Estado Madeleine Albright proclamou em 1998 (e outros presidentes e políticos insistiram desde então). Os EUA gozaram de uma maior "disparidade de poder" em relação aos seus rivais do que qualquer império, o historiador de Yale, Paul Kennedy, anunciou em 2002. Certamente, continuaria sendo "a única superpotência nas próximas décadas", a revista Foreign Affairs nos assegurou apenas ano passado.
Durante a campanha de 2016, o candidato Donald Trump prometeu aos seus apoiantes que "nós vamos ganhar com militares ... vamos ganhar tanto, você pode até se cansar de ganhar". Em agosto, enquanto anunciava sua decisão de enviar mais tropas para o Afeganistão, Trump tranquilizou a nação: "Em todas as gerações, enfrentamos o mal e sempre prevalecemos." Neste mundo em rápida mudança, apenas uma coisa era certa: quando realmente contava, os Estados Unidos nunca poderiam perder.

Não mais.

A Casa Branca Trump ainda pode estar tomando conta do brilho da supremacia global da América, mas, ao longo do Potomac, o Pentágono formou uma visão mais realista da sua superioridade militar desvanecida. Em junho, o Departamento de Defesa emitiu um importante relatório intitulado Avaliação de Riscos em um Mundo Pós-Primazia, achando que os militares dos EUA "não mais gozam de uma posição inatacável versus concorrentes estaduais" e "não pode mais ... gerar automaticamente consistente e sustentado superioridade militar local no alcance ". Essa avaliação sóbria levou os principais estrategistas do Pentágono a" a percepção de que "podemos perder". Cada vez mais, acham os planejadores do Pentágono, a "auto-imagem de um líder global incomparável" fornece uma "base errada para uma estratégia de defesa voltada para o futuro ... sob condições de pós-primado ". Este relatório do Pentágono também advertiu que, como a Rússia, a China está" envolvida em um programa deliberado para demonstrar os limites da autoridade dos EUA "; daí, a oferta de Pequim por "primado do Pacífico" e sua "campanha para expandir seu controle sobre o Mar da China Meridional".

Desafio da China

De fato, as tensões militares entre os dois países têm aumentado no Pacífico ocidental desde o verão de 2010. Assim como Washington, uma vez, usou sua aliança de guerra com a Grã-Bretanha para se apropriar de grande parte desse poder global do império que desapareceu após a Segunda Guerra Mundial, então Pequim começou a usar lucrenta com o comércio de exportação com os EUA para financiar um desafio militar ao seu domínio sobre as vias navegáveis ​​da Ásia e do Pacífico.
Alguns números reveladores sugerem a natureza do futuro grande competição de poder entre Washington e Pequim que poderia determinar o curso do século XXI. Em abril de 2015, por exemplo, o Departamento de Agricultura informou que a economia dos EUA cresceria em quase 50% nos próximos 15 anos, enquanto a China cresceria 300%, igualando ou superando os EUA em 2030.
Da mesma forma, na corrida crítica para patentes mundiais, a liderança americana em inovação tecnológica está claramente em declínio. Em 2008, os Estados Unidos ainda mantiveram o ponto número dois atrás do Japão em pedidos de patentes com 232 mil. A China estava, no entanto, fechando rapidamente em 195.000, graças a um aumento de 400% de bolhas desde 2000. Até 2014, a China assumiu a liderança nesta categoria crítica com 801 mil patentes, quase metade do total mundial, em comparação com apenas 285 mil para os americanos .
Com a supercomputação agora crítica para tudo, desde a quebra de código até produtos de consumo, o Ministério da Defesa da China ultrapassou o Pentágono pela primeira vez em 2010, lançando o supercomputador mais rápido do mundo, o Tianhe-1A. Nos próximos seis anos, Pequim produziu a máquina mais rápida e, no ano passado, finalmente ganhou de uma forma que não poderia ser mais crucial: com um supercomputador que tinha chips de microprocessador feitos na China. Até então, também tinha a maioria dos supercomputadores com 167 em comparação com 165 para os Estados Unidos e apenas 29 para o Japão.
A longo prazo, o sistema de educação americano, essa fonte crítica de futuros cientistas e inovadores, está ficando para trás dos seus concorrentes. Em 2012, a Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico testou meio milhão de jovens de 15 anos em todo o mundo. Aqueles em Xangai entraram em primeiro lugar em matemática e ciência, enquanto os de Massachusetts, "um Estado americano de alto desempenho", ficou em 20º em ciência e 27 em matemática. Até 2015, a posição da América havia diminuído para 25 na ciência e 39 na matemática.
Mas por que, você pode perguntar, alguém deveria se preocupar com um grupo de jovens de 15 anos com mochilas, chaves e atitude? Porque, até 2030, serão cientistas e engenheiros da metade da carreira que determinam quais computadores sobrevivem a um ataque cibernético, cujos satélites evitam uma greve de mísseis e cuja economia tem a melhor coisa a seguir.

Estratégias Rival Superpotências

Com seus recursos crescentes, Pequim tem reivindicado um arco de ilhas e águas da Coréia para a Indonésia, dominada pela marinha americana. Em agosto de 2010, depois que Washington expressou um "interesse nacional" no Mar da China Meridional e realizou exercícios navais para reforçar a reivindicação, o Global Times de Pequim respondeu com raiva que "a luta entre os EUA e a China sobre a questão do Mar do Sul da China aumentou as apostas ao decidir quem será o futuro futuro governante do planeta ".
Quatro anos depois, Pequim escalou suas reivindicações territoriais para essas águas, construindo uma instalação de submarinos nucleares na Ilha de Hainan e acelerando a dragagem de sete atóis artificiais para bases militares nas Ilhas Spratly. Quando o Tribunal Permanente de Arbitragem em Haia decidiu, em 2016, que esses atóis não deram a China reivindicação territorial aos mares circundantes, o Ministério das Relações Exteriores de Pequim descartou a decisão fora de controle.
Para enfrentar o desafio da China no alto mar, o Pentágono começou a enviar uma sucessão de grupos de transportadores em cruzeiros de "liberdade de navegação" no Mar da China Meridional. Também começou a mudar o ar de reposição e os recursos do mar para uma série de bases do Japão para a Austrália, a fim de fortalecer sua posição estratégica ao longo do litoral asiático. Desde o final da Segunda Guerra Mundial, Washington tentou controlar a massa estratégica eurasiana de uma rede de bases militares da OTAN na Europa e uma cadeia de bastiões da ilha no Pacífico. Entre os "fins axiais" deste vasto continente, Washington, nos últimos 70 anos, construiu sucessivas camadas de poder militar - bases aéreas e navais durante a Guerra Fria e, mais recentemente, uma série de 60 bases de drones que se estendem da Sicília para Guam.
Simultaneamente, no entanto, a China conduziu o que o Pentágono em 2010 chamou de "uma transformação abrangente de seus militares" para preparar o Exército de Libertação do Povo (PLA) "para projeções de poder de alcance alargado". Com o "balístico terrestre mais ativo a nível mundial" e o programa de mísseis de cruzeiro, "Pequim pode atacar" suas forças nucleares em todo ... a maior parte do mundo, incluindo os Estados Unidos continentais ". Enquanto isso, mísseis precisos agora fornecem ao PLA a capacidade de" atacar navios, incluindo porta-aviões, no oeste Oceano Pacífico ". Nos domínios militares emergentes, a China começou a contestar o domínio norte-americano sobre o ciberespaço e espaço, com planos para dominar" o espectro de informação em todas as dimensões do espaço de batalhas moderno ".
O exército da China já desenvolveu uma sofisticada capacidade de ciberguerra através da Unidade 61398 e dos empreiteiros aliados que "se concentram cada vez mais ... em empresas envolvidas na infra-estrutura crítica dos Estados Unidos - sua rede elétrica, linhas de gás e obras hidráulicas". Depois de identificar essa unidade como responsável por uma série de roubos de propriedade intelectual, Washington tomou o passo sem precedentes, em 2013, de arquivar acusações criminais contra cinco ciber oficiais chineses de serviço ativo.
A China já fez grandes avanços tecnológicos que poderiam ser decisivos em qualquer guerra futura com Washington. Em vez de competir de forma geral, Pequim, como muitos adotadores tardios de tecnologia, escolheu estrategicamente as principais áreas a serem seguidas, particularmente os satélites orbitais, que são um fulcro para a efetiva armamentação do espaço. Já em 2012, a China já lançou 14 satélites em "três tipos de órbitas" com "mais satélites em órbitas altas e ... melhores capacidades anti-blindagem do que outros sistemas". Quatro anos depois, Pequim anunciou que estava no caminho certo para " cobre todo o globo com uma constelação de 35 satélites até 2020 ", tornando-se apenas para os Estados Unidos quando se trata de sistemas via satélite operacionais.
Ao fazer o catch-up, a China recentemente alcançou um avanço audacioso nas comunicações seguras. Em agosto de 2016, três anos depois que o Pentágono abandonou sua própria tentativa de segurança satelital em grande escala, Pequim lançou o primeiro satélite quântico do mundo que transmite fótons, que se acredita serem "invulneráveis ​​para hackear", ao invés de confiar em ondas de rádio mais facilmente comprometidas. De acordo com um relatório científico, esta nova tecnologia "criará uma rede de comunicações super seguras, potencialmente ligando as pessoas em qualquer lugar". A China estava planejando lançar 20 dos satélites se a tecnologia for bem sucedida.

Para verificar a China, Washington vem construindo uma nova rede de defesa digital de capacidades avançadas de ciberguerra e robótica do espaço aéreo. Entre 2010 e 2012, o Pentágono ampliou as operações do drone para a exósfera, criando uma arena para futuras guerras, ao contrário de qualquer coisa que tenha acontecido antes. Já em 2020, se tudo correr de acordo com o plano, o Pentágono abrirá um escudo de três níveis de drones não tripulados que chegam da estratosfera à exosfera, armados com mísseis ágiles, ligados por um sistema de satélites ampliado e operados através de controles robotizados.

Considerando este equilíbrio de forças, a RAND Corporation lançou recentemente um estudo, War with China, prevendo que até 2025

"A China provavelmente terá mísseis balísticos de maior alcance e melhor alcance e mísseis de cruzeiro; Defesas aéreas avançadas; aeronave de última geração; submarinos mais silenciosos; mais e melhores sensores; e as comunicações digitais, o poder de processamento e C2 [segurança cibernética] necessários para operar uma cadeia de morte integrada ".
No caso de uma guerra total, RAND sugeriu, os Estados Unidos podem sofrer grandes perdas para seus operadores, submarinos, mísseis e aeronaves das forças estratégicas chinesas, enquanto seus sistemas informáticos e satélites serão degradados graças à "melhoria da ciberguerra chinesa e ASAT [capacidades anti-satélite] ". Mesmo que as forças americanas se contraatassem, sua" crescente vulnerabilidade "significa que a vitória de Washington não seria assegurada. Em tal conflito, concluiu o grupo de reflexão, pode não haver um "vencedor claro".
Não cometas nenhum erro sobre o peso dessas palavras. Pela primeira vez, um importante grupo de reflexão estratégico, alinhado com os militares dos EUA e conhecido por suas influentes análises estratégicas, estava considerando seriamente uma grande guerra com a China que os Estados Unidos não ganhariam.

Terceira Guerra Mundial: cenário 2030

A tecnologia do espaço e da guerra cibernética é tão nova, tão não testada, que até mesmo os cenários mais estranhos atualmente inventados por planejadores estratégicos podem em breve ser substituídos por uma realidade ainda difícil de conceber. Em um exercício de guerra nuclear de 2015, o Air Wargaming Institute da Força aérea usou modelagem computacional sofisticada para imaginar "um cenário de 2030 em que a frota da Baixa da Força Aérea ... atualizada com ... armas melhoradas" patrulham os céus prontos para atacar. Simultaneamente, "novos e brilhantes novos mísseis balísticos intercontinentais" partem para o lançamento. Então, em um gambito tático arrojado, os bombardeiros B-1 com "atualização completa da Estação de Batalha Integrada (IBS)" deslizam através das defesas inimigas para um ataque nuclear devastador.
Esse cenário foi sem dúvida útil para os planejadores da Força Aérea, mas disse pouco sobre o futuro real do poder global dos EUA. Da mesma forma, a Guerra RAND com a China estuda apenas as capacidades militares comparadas, sem avaliar as estratégias particulares que qualquer dos lados pode usar para sua vantagem.
Talvez eu não tenha acesso à modelagem de computador do Wargaming Institute ou aos renomados recursos analíticos da RAND, mas eu posso pelo menos levar seu trabalho um passo adiante ao imaginar um conflito futuro com um desfecho desfavorável para os Estados Unidos. Como o poder ainda dominante do globo, Washington deve espalhar suas defesas em todos os domínios militares, tornando sua força, paradoxalmente, uma fonte de fraqueza potencial. Como o desafiante, a China tem a vantagem assimétrica de identificar e explorar algumas falhas estratégicas na superioridade militar de Washington, de outra forma irresistível.
Durante anos, intelectuais de defesa chineses proeminentes como Shen Dingli da Universidade Fudan rejeitaram a idéia de contrariar os EUA com uma grande construção naval e argumentaram em vez de "ataques cibernéticos, armas espaciais, lasers, pulsos e outros feixes de energia direta". Em vez de se apressar a lançar porta-aviões que "serão queimados" por lasers disparados do espaço, a China deveria, argumentou Shen, desenvolver armas avançadas "para que outros sistemas de comando não funcionem". Embora décadas não combinem com o poder total de Washington militares, a China poderia, através de uma combinação de guerra cibernética, guerra espacial e supercomputação, encontrar maneiras de paralisar as comunicações militares dos EUA e assim cegar suas forças estratégicas. Com isso em mente, aqui está um cenário possível para a Primeira Guerra Mundial:
São 11:59 p.m. no Dia de Ação de Graças quinta-feira em 2030. Durante meses, as tensões foram montadas entre as patrulhas chinesas e da Marinha dos Estados Unidos no Mar da China Meridional. As tentativas de Washington de usar a diplomacia para restringir a China provaram um fracasso embaraçoso entre aliados de longa data - com a OTAN paralisada por anos de apoio americano difamado, o Reino Unido agora um poder de terceira camada, o Japão funcionalmente neutro e outros líderes internacionais são legais para as preocupações de Washington após sofrendo sua ciber-vigilância há tanto tempo. Com a economia americana diminuída, Washington joga o último cartão numa mão cada vez mais fraca, distribuindo seis dos oito grupos de portadores restantes para o Pacífico Ocidental.
Em vez de intimidar os líderes da China, o movimento os torna mais belicosos. Vindo de bases aéreas nas Ilhas Spratly, seus caças a jato começam a começar a zelar pelos navios da Marinha dos EUA no Mar da China Meridional, enquanto as fragatas chinesas jogam frango com dois dos porta-aviões em patrulha, cruzando cada vez mais perto de seus arcos.
Então a tragédia atinge. Às 4:00 da manhã, em uma noite de outubro nebulosa, o enorme transportador USS Gerald Ford corta a fratura de envelhecimento Fragata-536 Xuchang, afundando o navio chinês com toda a equipe de 165. Pequim exige insultos e reparações. Quando Washington se recusa, a fúria da China é rápida.
No meio da meia-noite, na Sexta-feira Negra, enquanto os ciber-compradores atacam os portais da Best Buy para descontos profundos sobre os mais recentes produtos eletrônicos de consumo do Bangladesh, o pessoal da Marinha que ocupa o Telescópio de Vigilância Espacial em Exmouth, na Austrália Ocidental, bloqueia seus cafés como sua panorâmica As telas do céu do Sul subitamente puxam para preto. Milhares de quilômetros de distância no centro de operações dos EUA no CyberCommand no Texas, os técnicos da Força Aérea detectam binários maliciosos que, apesar de serem pirateados anonimamente nos sistemas de armas americanos em todo o mundo, mostram as impressões digitais específicas do Exército de Libertação do Povo da China.
No que os historiadores chamarão mais tarde a "Batalha dos Binários", os supercomputadores da CyberCom lançam seus contra-códigos assassinos. Enquanto alguns dos servidores provinciais da China perdem dados administrativos de rotina, o sistema de satélites quânticos de Pequim, equipado com transmissão de fótons super-segura, prova ser impermeável à pirataria. Enquanto isso, uma armada de supercomputadores maiores e mais rápidos escravizados para a Unidade 6000 de ciberguerra de Xangai explodiu de volta com logaritmos impenetráveis ​​de subtileza e sofisticação sem precedentes, deslizando no sistema de satélites dos EUA através de seus antiquados sinais de microondas.
A primeira greve aberta é uma que ninguém no Pentágono previu. Voando a 60 mil metros acima do Mar da China Meridional, vários drones de Stingray MQ-25, transportados pelos EUA, infectados pelo "malware" chinês, de repente, disparam todas as vagens sob suas enormes enxadas de delta, enviando dezenas de mísseis letais mergulhando inofensivamente no oceano, desarmando efetivamente essas armas formidáveis.
Determinado a lutar contra fogo com fogo, a Casa Branca autoriza uma greve de retaliação. Confiantes, seu sistema de satélites é impenetrável, os comandantes da Força Aérea da Califórnia transportam códigos robotizados para uma flotilha de drones espaciais X-37B, orbitando 250 milhas acima da Terra, para lançar seus mísseis Triple Terminator em vários satélites de comunicação da China. Não há resposta zero.
Em quase pânico, a Marinha ordena que os destruidores da classe Zumwalt disparem seus mísseis assassinos RIM-174 em sete satélites chineses nas órbitas geoestacionárias próximas. Os códigos de lançamento de repente são inoperantes.
À medida que os vírus de Pequim se espalham incontrolavelmente através da arquitetura de satélite dos EUA, os supercomputadores de segunda categoria do país não conseguem quebrar o código complexo do malware chinês. Com uma velocidade deslumbrante, os sinais de GPS cruciais para a navegação de navios e aeronaves americanas em todo o mundo estão comprometidos.
Do outro lado do Pacífico, os oficiais da plataforma da marinha se esforçam para sextantes, lutando para recordar as classes de navegação há muito tempo em Annapolis. Dirigindo-se ao sol e às estrelas, os esquadrões de transportadores abandonam suas estações da costa da China e vapor para a segurança do Havaí.
Um presidente americano irritado ordena uma greve de retaliação em um alvo chinês secundário, a base naval de Longpo na ilha de Hainan. Em poucos minutos, o comandante da Andersen Air Base em Guam lança uma bateria de mísseis hipersônicos super-secretos X-51 "Waverider" que se elevam para 70 mil pés e depois atravessam o Pacífico a 4.000 milhas por hora - muito mais rápido do que qualquer lutador chinês ou míssil ar-a-ar. Dentro da sala da situação da Casa Branca, o silêncio é sufocante, enquanto todos contam os 30 minutos antes de as ogivas nucleares táticas derrubar as canetas submarinas endurecidas de Longpo, fechando as operações navais chinesas no Mar da China Meridional. Midflight, os mísseis de repente mergulham no Pacífico.
Em um bunker enterrado profundamente abaixo da Praça da Tiananmen, o sucessor escolhido a dedo do presidente Xi Jinping, Li Keqiang, ainda mais nacionalista do que seu mentor, está indignado de que Washington tentasse uma greve nuclear tática em solo chinês. Quando o Conselho de Estado da China pisca no pensamento de guerra aberta, o presidente cita o antigo estrategista Sun Tzu:
"Guerreiros vitoriosos ganham primeiro e depois vão à guerra, enquanto os guerreiros derrotados vão à guerra primeiro e depois procuram vencer".

Em meio aplausos e risos, a votação é unânime. Guerra é!

Quase imediatamente, Pequim aumenta de ataques cibernéticos secretos para atos abertos. Dezenas de mísseis SC-19 da próxima geração da China expiram para ataques em satélites de comunicações norte-americanos importantes, marcando uma alta proporção de mortes cinéticas nessas unidades hulking. De repente, Washington perde comunicações seguras com centenas de bases militares. Os esquadrões de combate dos EUA em todo o mundo são fundamentados. Dezenas de pilotos F-35 já em direção ao ar estão cegos quando as telas de aviônica montadas em capacete ficam pretas, forçando-as a baixar até 10.000 pés para uma visão clara do campo. Sem qualquer navegação eletrônica, eles devem seguir estradas e pontos de referência de volta à base como motoristas de ônibus no céu.
Midflight em patrulhas regulares em torno da massa terrestre euro-asiática, duas dúzias de drones de vigilância RQ-180 de repente tornam-se insensíveis aos comandos transmitidos por satélite. Eles voam sem rumo em direção ao horizonte, batendo quando o combustível está esgotado. Com velocidade surpreendente, os Estados Unidos perdem o controle do que a Força Aérea há muito chamou de "terreno alto final".
Com a inteligência inundando o Kremlin sobre a capacidade americana aleijada, Moscou, ainda um aliado chinês próximo, envia uma dúzia de submarinos nucleares de classe Severodvinsk para além do Círculo Polar Ártico, com destino a patrulhas permanentes e provocativas entre Nova York e Newport News. Simultaneamente, uma meia dúzia de fragatas de mísseis de classe Grigorovich da frota russa do Mar Negro, escoltadas por um número não revelado de submarinos de ataque, vapor para o Mediterrâneo ocidental sombrear a frota dos EUA.
Em questão de horas, o aperto estratégico de Washington sobre as extremidades axiais da Eurásia - a pedra angular do seu domínio global nos últimos 85 anos - está quebrado. Em sucessão rápida, os blocos de construção na arquitetura frágil do poder global dos EUA começam a cair.
Toda arma cria seu próprio inimigo. Assim como os mosqueteiros montaram cavaleiros montados, os tanques quebraram as trincheiras e os bombardeiros de mergulho afundaram navios de guerra, de modo que a ciber-capacidade superior da China cegou os satélites de comunicação dos Estados Unidos que eram os nervos do seu antigo aparelho militar, dando a Pequim uma vitória impressionante nesta guerra dos militares robotizados . Sem uma única vítima de combate de ambos os lados, a superpotência que dominou o planeta há quase um século é derrotada na III Guerra Mundial.

Alfred W. McCoy, um TomDispatch regular, é o professor de história da Harrington na Universidade de Wisconsin-Madison. Ele é o autor do livro agora clássico The Politics of Heroin: Complicity da CIA no Comércio Global de Medicamentos, que investigou a conjuntura de narcóticos ilícitos e operações secretas ao longo de 50 anos, e as Sombras do Sismo Americano, recentemente publicadas: O Rise and Decline of US Global Power (Dispatch Books) a partir do qual esta peça é adaptada.

Fonte: https://undhorizontenews2.blogspot.pt/

Venezuela prepara-se para uma guerra com os Estados Unidos !

A nação socialista da Venezuela convocou seus militares e pediu-lhes que se preparassem para ir à guerra com os Estados Unidos. O presidente da Venezuela, Nicolas Maduro, está se preparando para a guerra apenas alguns dias depois que o governo Trump proibiu as autoridades venezuelanas de entrarem no país.
"Nós fomos ameaçados sem vergonha pelo império mais criminoso que já existia e temos a obrigação de nos preparar para garantir a paz", disse Maduro, que usava um uniforme verde e um chapéu militar enquanto falava com o seu exército superior durante uma guerra militar Exercícios envolvendo tanques e mísseis. "Precisamos ter rifles, mísseis e tanques bem oleados pronto ... para defender cada centímetro do território, se necessário. O futuro da humanidade não pode ser o mundo das sanções ilegais, da perseguição econômica ", disse Maduro.
De acordo com a Newsweek, as ameaças de Maduro diminuíram a dura orientação do governo Trump contra o regime de Maduro ao proibir os empréstimos de dinheiro ao governo venezuelano ou a sua companhia estatal de petróleo, PDVSA, e sanções contra Maduro e seus altos funcionários. Mas não é provável que o regime socialista tenha a capacidade de enfrentar os Estados Unidos de forma significativa.
É improvável que Maduro tenha a mão-de-obra para enfrentar os EUA, que tem um militar muito maior. Maduro manteve o poder na Venezuela, apesar das crescentes crises políticas e econômicas que sofreram meses de manifestações violentas e anti-governamentais na nação sul-americana. O ministro da Defesa, Vladimir Padrino, apoiou Maduro durante a revolta, mas alguns críticos começaram uma campanha de sussurros sugerindo que os militares pudessem romper e apoiar um golpe contra o presidente, disse Herbert Garcia, ex-exército geral e ministro, à Reuters em agosto. Houve três tentativas de golpes militares na Venezuela desde 1992. -Newsweek
A Rússia saiu do lado da Venezuela. "Estamos fortemente contra sanções unilaterais contra estados soberanos", disse em agosto a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova. "Vamos analisar cuidadosamente as implicações das sanções impostas pelos Estados Unidos e seu possível efeito sobre os interesses da Rússia e das empresas russas. Já podemos dizer que não afetarão nossa vontade de expandir e fortalecer a cooperação com a nação amigável da Venezuela e seu povo ".
A Rússia defende a Venezuela com freqüência, dizendo que Trump está simplesmente acelerando uma guerra e uma invasão de Caracas.

Fonte: https://undhorizontenews2.blogspot.pt/

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

Califórnia prepara-se para um ataque nuclear da Coreia do Norte !

A Coreia do Norte está preparando um ataque e transferindo aeronaves para a costa leste do país. A agência de notícias sul-coreana Yonhap informou que o país comunista também tomou outras medidas para melhorar suas capacidades de defesa.
A Coreia do Norte acusa os Estados Unidos de terem declarado guerra ao país e ameaça abrir fogo contra bombardeiros americanos de longo alcance. Neste fim de semana os EUA enviaram bombardeiros de longo alcance na Coreia do Sul e perto das fronteiras da Coreia do Norte. Foi a primeira vez neste século que aviões e bombardeiros de caça americanos voaram para o norte da zona desmilitarizada que separou a Coréia do Norte da Coreia do Sul. Os comentários de Donald Trump no fim de semana foram claramente uma declaração de guerra , disse o ministro das Relações Exteriores da Coreia do Norte, Ri Yong-ho, após a Assembléia Geral das Nações Unidas em Nova York.
Caças e Bombardeiros dos EUA que voavam sobre a fronteira da Coreia do Norte

"As manobras massivas dos EUA na proximidade da Coreia do Norte parecem perseguir o líder da Coreia do Norte (Kim Jong-un), para provocá-lo em alguma ação desagradável", Mikhail Ulyanov, chefe de departamento de não proliferação e controle de armas do Ministério das Relações Exteriores da Rússia citado pela agência de notícias Interfax.

Observando o aumento da ameaça da Coreia do Norte o Centro de Informações Regionais de Los Angeles na Califórnia publicou um boletim avisando que um ataque nuclear no sul da Califórnia seria "catastrófico" e as autoridades regionais foram instadas a apoiar suas Resposta da Coreia do Norte aos ataques nucleares.
O relatório cita o teste final de julho da Coreia do Norte de um míssil balístico intercontinental que, em teoria, poderia atingir a costa ocidental dos Estados Unidos. "Os vídeos de propaganda da Coreia do Norte são caracterizados por cenas sobre ruínas de São Francisco e Washington após um ataque nuclear", diz o documento.

O boletim de Considerações de Resposta de Ataque Nuclear de 16 páginas é datado de 16 de agosto e está assinado para "uso oficial apenas". Foi lançado no mês passado em Los Angeles, tanto no nível local quanto estadual, além do Departamento de Segurança Interna e outras agências federais em todo o país.

Grande parte da informação contida no relatório baseia-se em fatos conhecidos sobre os efeitos de uma explosão nuclear, incluindo os efeitos da radiação, a presença de comunicações de impulso eletromagnético incapacitantes e os efeitos destrutivos da primeira explosão na vida humana e na infra-estrutura .
"As conseqüências de um ataque nuclear no sul da Califórnia seria catastrófico", diz o relatório. "No entanto, entidades governamentais e executivos seniores devem permanecer funcionais para preservar a vida humana, manter a ordem e ajudar no processo de recuperação".

O relatório, amplamente abordado pelas agências locais, estaduais e federais e os primeiros entrevistados localizados na região de Los Angeles, observa que o governo federal provavelmente terá uma assistência limitada imediatamente após uma explosão nuclear.
 
Fonte: http://ufosonline.blogspot.pt/

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Para quem ainda duvida do Programa Espacial Secreto...!

Você ainda duvida do Programa Espacial Secreto
As finanças do exército dos Estados Unidos estão tão confusas que eles tiveram que fazer trilhões de dólares em ajustes contábeis impróprios para criar uma ilusão de que seus livros estão equilibrados.

O Inspetor-Geral do Departamento de Defesa, em um relatório de junho, disse que o Exército fez US$ 2,8 trilhões em ajustes impróprios nas entradas contábeis em somente um trimestre de 2015 e US$ 6,5 trilhões no ano. No entanto, o Exército não tinha recibos e faturas para apoiar esses números ou simplesmente os inventou.

Como resultado, as demonstrações financeiras do Exército para 2015 foram ‘materialmente equivocadas’, concluiu o relatório. Os ajustes ‘forçados’ tornaram as declarações inúteis porque os gerentes do Departamento de Defesa (DoD) e do Exército não podiam confiar nos dados em seus sistemas contábeis ao tomar decisões de gerenciamento e recursos.

A divulgação da manipulação dos números do exército é o último exemplo dos graves problemas contábeis que afligem o Departamento de Defesa há décadas.

O relatório afirma uma série de reportagens de 2013 da Reuters, revelando como o Departamento de Defesa falsificou a contabilidade em grande escala, enquanto se arrumava para fechar seus livros. Como resultado, não houve como saber como o Departamento de Defesa – de longe o maior pedaço do orçamento anual do Congresso – gasta o dinheiro do público.

O novo relatório centrou-se no Fundo Geral do Exército, o maior de suas duas contas principais, com ativos de US$ 282,6 bilhões em 2015. O Exército perdeu ou não manteve os dados necessários, e grande parte dos dados que teve foi impreciso.

‘Para onde o dinheiro está indo? Ninguém sabe ‘, disse Franklin Spinney, analista militar aposentado do Pentágono e crítico do planejamento do Departamento de Defesa.

O significado do problema contábil ultrapassa a mera preocupação em equilibrar livros, disse Spinney. Ambos os candidatos presidenciais pediram o aumento dos gastos de defesa em meio à atual tensão global.

Uma contabilidade precisa pode revelar problemas mais profundos em como o Departamento de Defesa gasta seu dinheiro. Seu orçamento de 2016 é de US$ 573 bilhões, mais da metade do orçamento anual apropriado pelo Congresso.

Os erros da conta do Exército provavelmente terão consequências para todo o Departamento de Defesa. O Congresso estabeleceu um prazo até 30 de setembro de 2017 para que o departamento se prepare para ser submetido à uma auditoria. Os problemas contábeis do Exército levantam dúvidas sobre se o prazo pode ser cumprido – uma marca negra para a Defesa, uma vez que todas as outras agências federais são submetidas anualmente à uma auditoria.

Durante anos, o inspetor geral – o auditor oficial do Departamento de Defesa – inseriu um aviso legal sobre todos os relatórios anuais militares. A contabilidade é tão pouco confiável que ‘as demonstrações financeiras básicas podem ter declarações erradas não detectadas que são materiais e difundidas’.

Em uma declaração enviada por e-mail, um porta-voz disse que o Exército ‘continua empenhado em se preparar para a auditoria’ no prazo, e está tomando medidas para erradicar os problemas. O porta-voz minimizou o significado das mudanças impróprias, que ele disse que foram de US$ 62,4 bilhões. ‘Embora haja um grande número de ajustes, acreditamos que a informação da demonstração financeira é mais precisa do que o implícito neste relatório’, afirmou.
‘O Grande Plugue’

Jack Armstrong, ex-General Inspetor Geral de Defesa responsável pela auditoria do Fundo Geral do Exército, disse que o mesmo tipo de mudanças injustificadas nas demonstrações financeiras do Exército já estavam sendo feitas quando se aposentou em 2010.

O Exército emite dois tipos de relatórios – um relatório de orçamento e um financeiro. O de orçamento foi completado primeiro. Armstrong disse acreditar que os números confusos foram inseridos no relatório financeiro para fazer fechar os números.

‘Eles não sabem o que os saldos devem ser’, disse Armstrong.

Alguns funcionários dos Serviços Financeiros e Contábeis de Defesa (DFAS), que lida com uma ampla gama de serviços de contabilidade do Departamento de Defesa, se referiram cinicamente à preparação das declarações de fim de ano do Exército como ‘o grande plugue’, afirmou Armstrong. ‘Plugue’ é um jargão de contabilidade para inserir números inventados.

À primeira vista, ajustes que totalizam trilhões podem parecer impossíveis. Os montantes não são nada comparados com todo o orçamento do Departamento de Defesa. Porém, fazer alterações à uma conta também exige fazer alterações em vários níveis de subconjuntos. Isso criou um efeito dominó onde, essencialmente, as falsificações continuavam ocorrendo. Em muitos casos, esse ciclo foi repetido várias vezes para o mesmo item contábil.

O relatório IG também culpou o DFAS, dizendo que também fez alterações injustificadas aos números. Por exemplo, dois sistemas informáticos DFAS mostraram valores diferentes de suprimentos para mísseis e munições, o relatório observou – mas ao invés de resolver a disparidade, o pessoal do DFAS inseriu uma falsa ‘correção’ para fazer coincidir os números.

O DFAS também não conseguiu fazer declarações financeiras exatas de final de ano porque mais de 16.000 arquivos de dados financeiros haviam desaparecido de seu sistema. A falha na programação de computadores e a incapacidade dos funcionários para detectar a falha foram culpadas, disse o IG. O DFAS está estudando o relatório e não tem comentários neste momento ‘, disse um porta-voz.


Fonte: http://ovnihoje.com/2017/08/28/voce-ainda-duvida-do-programa-espacial-secreto/

Anomalia do Mar Báltico volta às notícias, agora com diferentes alegações !

Anomalia do Mar Báltico volta às notícias
Anomalia do Mar Báltico: essas cenas em CGI são retirados de um vídeo sobre o mistério.

A misteriosa anomalia do Mar Báltico é um templo antigo de 14 mil anos perdido sob as ondas, foi extraordinariamente reivindicado.

O objeto de formato ímpar fascinou os amantes do mistério desde que foi descoberto em junho de 2011.

A anomalia é um enorme objeto estranho de 70 metros de comprimento, que apareceu no sonar a 100 metros abaixo da superfície do mar.

As teorias sobre o que a anomalia poderia ser variaram entre o interessante e o ultrajante, com alegação mais extraordinária até a data sendo que poderia ser parte de uma esquadrilha de OVNIs quebrados no oceano.

Alguns teóricos da conspiração ainda salientam que ela tem uma semelhança impressionante com a nave Millennium Falcon, do filme Guerra nas Estrelas, com uma aparência de aço.
Millennium Falcon

Outros alegaram que poderia ser os restos de uma cidade afundada, perdida para as ondas anos atrás.

No entanto, agora foi afirmado que se trata de um “monumento de uma civilização altamente avançada, construído há 14 mil anos”.

Um vídeo no YouTube mostrado no canal Archeodoku fez as reivindicações surpreendentes.

O narrador do vídeo, que diz ser produzido por AD, diz:

A deslumbrante e altamente controversa … descoberta finalmente foi identificada como uma construção monumental submersa da era paleolítica.

Os enormes símbolos geométricos lançados na antiga construção de cimento representam os hieróglifos paleo stanford da cultura global de Atlântida.

O vídeo usa imagens CGI para mostrar o que afirma ser um mergulho simulado de investigação para descobrir exatamente o que era.

O vídeo foi marcado como uma “fraude total” por céticos online.

O narrador continua a descrever várias formas vistas na anomalia.

Ele acrescenta:

O furo de dois metros com o quadrado em torno dele forma um ‘barco sagrado de ligadura’.

O glifo quadrado representa um planeta, enquanto o ponto representa um numeral, juntos lendo “Júpiter o único”.

O formato circular de todo o templo e sua cúpula singular representam o numeral paleo stanford, usado pelas tradições espirituais atlânticas para louvar a força criativa divina universal.

A estrutura geométrica artificial mais conspícua neste monumento de plataforma maciça escalonada é uma grande característica de abóbada hemisférica que provavelmente serviu para concentrar ondas ultra e infra-sônicas em uma câmara interna hemisférica, acessada do corredor adjacente.

O vídeo foi combatido online:

Um usuário do YouTube postou: “Cidadãos de Atlântida … no Mar Báltico … não computa”.

Outro disse: “Pare de vomitar esta besteira na Internet. Não é uma estrutura feita pelo homem”.

Apesar do vídeo ser falso, o mistério permanece na mente de algumas pessoas.

Os oceanógrafos desconcertados dizem que apesar da estrutura parecer uma pedra, ela tem a aparência metálica.

O mistério se aprofunda após reivindicações de que equipamentos eletrônicos de mergulho e por satélite param de operar quando estão perto da anomalia.

O objeto de 9 metros (26 pés) de altura foi descoberto pelo explorador sueco Peter Lindberg e sua equipe Ocean X de exploradores marinhos durante um mergulho procurando por um naufrágio.

O investigador paranormal Ryan Castledine, que administra o canal Mystery History no YouTube, acredita que a área que circunda a anomalia, que parece ser formada por pedaços de metal angular, pode conter ainda mais objetos não identificados.

Ele disse:

Minhas próprias opiniões ao examinar as varreduras de sonar da área circundante, é que eu sinto que há evidências visuais de anomalias mais incomuns, com formas não naturais, acompanhadas por escovações no fundo do mar, o que eu sinto exigir uma análise mais aprofundada.

Os relatórios foram feitos pela equipe Ocean-X sobre problemas com equipamentos elétricos quando dentro de um raio de 200 metros do objeto, como se estivesse emitindo um campo que interfira com o equipamento.

O interesse inicial na anomalia foi provocado por seu formato não natural, numerosos ângulos retos, uma estrutura de cúpula no topo e o que parece ser uma escada por um lado.

Ela está sobre um uma superfície elevada de cerca de seis metros de altura, como se estivesse descansando depois de esculpir a terra, uma área substancial do que parece ser um fundo do mar raspado está imediatamente de um lado, o que lhe dá a aparência estranha de uma nave acidentada.

Uma amostra recuperada por mergulhadores teria encontrado limonite e goetite. O geólogo israelita Steve Weiner afirmou que esses materiais são metais que a natureza não consegue reproduzir.

Outras pessoas que comentam no YouTube estão fartos do mistério em curso e disseram que poderia ser facilmente resolvido enviando uma equipe de mergulho para gravá-lo.

Um postou: “Se isso é legítimo, envie algumas câmeras lá embaixo e mostre para nós, não discutiremos se o que vermos for real”.

Outro comentou: “É um recife. Está em 90 metros, pare de falar e mergulhe.”

No entanto, os geólogos acreditam que seja apenas uma característica natural.

Os geólogos suecos Fredrik Klingberg e Martin Jakobsson dizem que a composição química da amostra se assemelha à dos nódulos, que de fato podem ser formados naturalmente.

O professor de geologia Volker Brucherz disse que a estrutura poderia ter se formado na última Era do Gelo.

Fonte: http://ovnihoje.com/2017/08/27/anomalia-do-mar-baltico-volta-as-noticias/


Se a Guerra da Coreia se desencadear, Seul enviará forças especiais para assassinar Kim Jong-Un !

Confirmando os relatórios que flutuaram há vários meses, o Telegraph relata que a Coréia do Sul está se preparando para enviar unidades de forças especiais para Pyongyang para realizar uma "ação clínica" - procurar e retirar Kim Jong-un e seus conselheiros mais próximos do poder , no evento que a Coréia do Norte deva começar uma guerra convencional. O plano está entre as revisões feitas para a última estratégia da Coréia do Sul para lidar com um ataque do Norte.
Funcionários seniores informaram o presidente da Coréia do Sul, Moon Jae-in, sobre as revisões da atual defesa da nação na segunda-feira, um dia antes da Coreia do Norte lançar um míssil balístico de alcance intermediário sobre o Japão. Moon disse ao ministério que implementasse reformas para os militares para enfrentar os desafios que a Coréia do Norte está a ser cada vez mais representada. Ele acrescentou que os militares devem estar prontos para "mudar rapidamente para uma postura ofensiva no caso de a Coréia do Norte desencadear uma provocação que cruza a linha ou ataca a região capital", informou o jornal Chosun Ilbo. O primeiro-ministro também solicitou que os militares "aumentassem a sua mobilidade, bem como a sua capacidade de realizar desembarques aéreos e marítimos" e a melhoria das defesas aéreas.
 
Soldados do exército da Coréia do Sul durante o exercício anual de Ulchi Freedom Guardian 

Enquanto isso, isso é o que um ataque de guerra "quente" de Pyongyang pode parecer da perspectiva sul-coreana:
No caso de um conflito convencional entrar na península coreana, espera-se que a artilharia norte-coreana bombardeie como defesas do sul ao longo da Zona desmilitarizada, além de bombardear Seul, menos de 50 milhas a sul da fronteira.
Tanques e unidades de infantaria, atendidos por sabotadores e agentes já não Sul, tentariam rapidamente aproveitar Seul e outras cidades e instalações importantes na Coréia do Sul antes que os Estados Unidos e potencialmente, outras nações aliadas pudessem conquistar reforços.
Em retaliação, sob o atual plano norte-coreano dos EUA para uma defesa do Sul, conhecido como OPLAN 5015, como duas nações teriam como objetivo levar a sua supremacia aérea e naval sobre bases da Coréia do Sul e do Japão, além de aeronaves Transportadores Não Pacífico ocidental, embora não havendo problemas, outros tanques pesados ​​e outros equipamentos, pudessem ser desembarcados.
Além disso, como o seguinte mapa naval a partir de 24 de agosto mostra, em termos práticos, não há suporte de suporte em torno da península da Coréia, pelo que, pelo menos, um aspecto do plano teórico é atualmente impossível.
O novo plano sul-coreano identificará mais de mil alvos primários na Coréia do Norte para serem eliminados por mísseis e munições guiadas a laser - incluindo armas nucleares e instalações de lançamento de mísseis - ao mesmo tempo em que o ataque convencional é interrompido.
 
Os jatos F-15K da Coréia do Sul deixam cair as bombas durante o treino na gama Taebaek Pilsung 

Além disso, os militares foram encarregados de treinar unidades de forças especiais que poderiam ser infiltradas em Pyongyang para atingir os principais membros do regime, incluindo Kim Jong-un, o líder norte-coreano, a fim de obter uma conclusão mais rápida para o combate. Enquanto no papel, esse movimento de "decapitação" parece atraente, na realidade, a retaliação do regime nKoreano aleijado contra seu vizinho do sul, especialmente uma vez que perdeu seu líder, provavelmente resultaria em inúmeras baixas e servirá como o início de uma região horripilante, Se não mundo, guerra.

Fonte: https://undhorizontenews2.blogspot.pt/

A Crise do Dólar - Buffet e Rotschild protegem-se da futura crise !


Fonte: https://undhorizontenews2.blogspot.pt/

A Crise do Dólar - Segundo Ron Paul, Crash do Dólar será o Fim do FED !


Fonte: https://undhorizontenews2.blogspot.pt/

Coreia do Norte alega direito à autodefesa e diz que manterá política nuclear !

missilCoreia do Norte defendeu nesta terça-feira (29) o direito à autodefesa e afirmou que continuará com a sua política de "dissuasão nuclear", horas após lançar um míssil que passou acima do Japão, em um ato que foi rapidamente condenado pela comunidade internacional. As informações são da EFE.
"Temos razão de responder com medidas duras no exercício do nosso direito à autodefesa e os Estados Unidos serão inteiramente responsáveis pelas consequências", disse o embaixador norte-coreano perante a Conferência de Desarmamento, Han Tae-song.
O míssil balístico disparado pela Coreia do Norte sobrevoou a ilha de Hokkaido, no norte do arquipélago japonês, e caiu em águas do Oceano Pacífico, a cerca de 1.180 quilômetros da costa japonesa, segundo informações oficiais de Tóquio.
De acordo com Han Tae-song, a tensão nuclear na Península da Coreia "é o resultado da política hostil dos EUA e do aumento da corrida nuclear contra a Coreia do Norte, que não teve outra alternativa a não ser fortalecer a sua dissuasão nuclear para enfrentar esta ameaça",
O diplomata afirmou que as manobras militares anuais realizadas pelos Estados Unidos e Coreia do Sul "são uma preparação para a guerra e para um ataque preventivo contra o país".
Han Tae-song acusou o Conselho de Segurança da ONU de ter ignorado os pedidos do governo norte-coreano para discutir essas manobras e para que ameace os dois países.
O representante da Coreia do Norte insistiu que qualquer ação de seu país será "em defesa própria, da soberania e do direito a existir".
"Os exercícios militares conjuntos de EUA e Coreia do Sul geram tensão na península e fazem caso omisso às advertências da Coreia do Norte, em um ato fanático que põe mais lenha na fogueira", sustentou o representante de Pyongyang.

Fonte: https://undhorizontenews2.blogspot.pt/

Vinte Preppers especulam sobre o que será a guerra civil 2.0 na América !

Resultado de imagem para o colapso dos EUA
A divisão na América tornou-se tão dramática durante o ano passado que muitas pessoas só podem prever que ele dirija um lugar: Guerra Civil.
Há uma queda pronunciada na violência e nos protestos (muitas vezes indo lado a lado). A liberdade de expressão está sendo esmagada pela oposição com a mera ameaça de respostas violentas. As estátuas e os memorials estão sendo vandalizados ou defendidos. Os manifestantes aparecem armados e blindados, prontos para a batalha. A mídia lança gasolina nessas chamas com relatos que impõem a culpa por um lado. Alguns grupos estão planejando abertamente sedição e ninguém está tentando detê-los.
Nosso país atingiu um ponto de tal divisão que é difícil imaginar como poderíamos voltar a ficar unidos.
Os eventos são snowballing.
As Nações Unidas emitiram um "aviso prévio" sobre conflitos civis na América. Muitas pessoas acreditam que esses "lados" extremistas são compostos por provocadores profissionais e não refletem os verdadeiros sentimentos dos americanos. (Brandon Smith faz um caso incrivelmente convincente para isso.) A Califórnia quer se separar e muita gente ficaria feliz em vê-los ir. Alguns negros querem "reparações" escandalosas de pessoas brancas enquanto outras as chamam para serem facilmente manipuladas.
Parece que ninguém quer paz nos Estados Unidos, exceto nós pessoas comuns, que estão felizes em se dar bem com os nossos vizinhos, independentemente da raça, religião ou propensão sexual. Mas, ao contrário, as coisas estão aumentando, nossos desejos podem ser irrelevantes.
O historiador e estrategista Gregory Copley escreveu:
Sim, há uma guerra civil que se aproxima nos Estados Unidos.
Mas não parecerá o padrão ordenado de descendência que caracterizou o conflito de 1861-65. Parecerá mais como a ruptura da Jugoslávia, ou as guerras civis russa e chinesa do século XX.
Aparecerá como um caos em evolução ...
... É significativo que a crise de arrecadação nos Estados Unidos não tenha sido precipitada até o dia 7 de novembro de 2016, eleição de Pres. Donald Trump, e também a polarização crescente da sociedade do Reino Unido causada pelo voto de Brexit de 2016.
Em ambos os casos, a eleição de Trump e a decisão dos eleitores do Reino Unido para a Grã-Bretanha de sair da União Européia foram reações tardias - talvez muito tarde - pelas populações regionais de ambos os países para o que eles perceberam como a destruição de seus estados-nação por "Super-oligarquias urbanas".
As reações da última gota por aqueles que votaram nos EUA por Donald Trump e aqueles que votaram no Reino Unido por Brexit foram contra um globalismo urbano que vem construindo por cerca de sete décadas, com a intenção deliberada ou acidental de destruir nações e nacionalismo. Agora está cristalizando: o globalismo urbano vê as nações e o nacionalismo como o inimigo e vice-versa.
As linhas de batalha foram desenhadas.
E isso faz sentido se você considera que a maioria dos eleitores de Clinton eram de áreas urbanas densamente povoadas, como Los Angeles, São Francisco e Nova York. Além disso, observa o Sr. Copley, os globalistas urbanos controlam a maior parte da mídia.
Os globalistas urbanos controlam a maioria dos meios de comunicação [é esse novo "meio de produção"; A dialética marxiana do século XXI?] E, portanto, controla a "informação" e a percepção de eventos.
Os "nacionalistas", então, estão operando instintivamente e na escuridão. (fonte)
Ele certamente não está errado.
Oh - e antes de alguém tocar e começa a falar histericamente de "nacionalistas brancos" - o Sr. Copley não está se referindo ao KKK. Ele está se referindo a pessoas que colocam os interesses nacionais à frente dos interesses globais.
Algumas pessoas acreditam que a Guerra Civil 2.0 já está acontecendo.
É interessante obter uma perspectiva de um espectador fora dos Estados Unidos. O comentarista político russo Dmitry Kosyrev diz que a guerra está em fúria nos Estados Unidos nos últimos anos.
"Os democratas estão fazendo coisas suicidas, porque não estão apenas à defensiva, mas à beira do colapso, como a administração do Trump quebrando seu" império do mal "... Seu objetivo não é a destruição da Rússia, mas a salvação de seus Próprio projeto ", ressaltou Kosyrev, referindo-se ao escândalo em curso sobre a alegada" interferência russa "nas eleições presidenciais dos EUA em 2016.
"Os democratas não têm maioria no Congresso ou no seu próprio exército, mas a guerra que eles estão travando é híbrida", escreveu o comentarista.
"Portanto, na zona de mídia, eles estão avançando com uma raiva selvagem e esquizofrênica. No entanto, eles ainda não monopolizaram completamente esta esfera ", observou Kosyrev, acrescentando que sua indignação contra a própria existência do canal de televisão russo russo Russia Today também é um" fenômeno militar ".
"A essência do que está acontecendo é que os republicanos agora estão avançando", ele explicou: "Simplesmente acontece em dezenas de pequenos episódios internos".
"Como se pode ver, os democratas têm muito a perder nesta guerra", disse o comentarista, acrescentando que a guerra civil em curso ainda não tem fim à vista.
Instigante quando visto de longe, certo?
Então, como seria uma segunda Guerra Civil?
Perguntei-lhe, os leitores, por suas opiniões sobre o que seria uma Guerra Civil se ele entrou em erupção na América.
Com a situação incendiária em todo o país, houve uma grande conversa sobre o potencial da guerra civil em erupção na América.
Se tal coisa terrível ocorra, como você acha que isso aconteceria? Como você acredita que todos nós seremos afetados? O que você prevê?
Tudo isso é especulação, é claro, mas compartilhe seus pensamentos nos comentários abaixo.
Claro, isso é tudo especulativo, mas há algumas respostas bastante interessantes. Aqui está o que você tem que dizer: 

1.) Laura ... 

... as cidades seriam atingidas duramente, as áreas periféricas se tornarão balcanizadas ... e, na medida em que "aconteça", começou com "a resistência" ... ainda não ficou quente. E PS não será uma guerra civil, quando ele for quente, será ao longo das linhas de raça e economia, nada como a Guerra Civil, que era uma questão federal versus estado (controle).
Nota: A balcanização é definida como a "fragmentação ou divisão de uma região ou estado em regiões ou estados menores que são muitas vezes hostis ou não cooperantes uns com os outros". (Fonte) 

2. Jeriann ...

Eu vejo isso começando nas ruas do sul. Então a Guarda Nacional é enviada, então as milícias locais se formam para lutar contra a Guarda Nacional. A agitação civil corre amuck. As pessoas fogem dos estados do sul, indo para o norte e para o oeste. Sementes de ódio crescendo em seus corações contra o governo para permitir que isso aconteça. Os grupos estão se reunindo em casas para discutir o próximo passo. O loteamento de alimentos e gás começa. O desespero se instala. Fé de Peopllosese no governo tanto local quanto estadual e federal. A realidade está em que somos vulneráveis ​​a Rússia, China, Isis, medo e desespero por levar as pessoas. Eles clamam nas ruas, os campos são criados para nossa proteção e para nos fornecer.

3.) Chris ...

Pergunto-me sobre o que seria lutar contra .... Onde as linhas seriam desenhadas? Racial? Político? Economia? Quem vai lutar contra quem? Eu acho flat-out cada homem para si mesmo a anarquia é um cenário mais provável do que o que consideramos uma guerra civil.

4.) Koi ...

Isto é o que o governo quer que aconteça para que eles possam ter a lei marcial e lançar a Constituição no lixo.

5.) Ryan ...

Será baseado em raça, o mais fácil distinguir para informações baixas pessoas com raiva e desejo de lutar. Não estou certo de como as pessoas brancas à esquerda se distinguirem como aliados, porém provavelmente serão apanhados na carnificina. A verdadeira questão que tenho é: por quanto tempo o TPTB permitirá o derramamento de sangue antes de implementar a próxima fase do estado da polícia

6.) Andrea ...

Se realmente decolou, se você não morar em uma cidade importante, acho que o principal efeito que você sentiria é a falta de bens. As cargas de caminhões de entregas que não conseguem chegar com segurança a determinados destinos acabariam por acabar de chegar.

7.) Tony ...

Se isso acontecesse, acho que será de curta duração. O governo desligou os sistemas de comunicação e a oferta de dinheiro para o país. O mercado de ações entrará em colapso e o one-percenters será carregado em ações e ganhará bilhões quando a ordem for restaurada e o mercado for recuperado. 

8.) Lyle ... 

Uma guerra civil totalmente fabricada pela mídia. 

9.) Joshua ... 

Não há mais nada para manter a sociedade civil em conjunto. Sem valores compartilhados. Sem histórico compartilhado. Nenhuma visão de mundo compartilhada. Em muitos lugares, nem mesmo um idioma compartilhado. O que vemos agora é a Balkanização da América. Em essência, nós, como pessoas, já separamos um do outro.

10.) Marvin ...

Aqui estão as opções 

1. Nada vai acontecer, bem, exceto TODAS as estátuas serão removidas, confederadas, sindicatos, MLK, presidentes, jogadores de beisebol, até mesmo pobres ole Elvis. 

2. Muito mais protestos e mais mortes. 

3. A Coréia do Norte deixa um EMP e diluímos o rebanho. 

11.) Sherri ...

De certa forma, acho que já está acontecendo por algum tempo. Internet trolling, hackers, algumas leis não são realmente aplicadas.

12.) Brian ...

A ONU será convocada. Implementação de uma ordem mundial.

13.) Liz ...

Penso que é uma crise financeira, provavelmente causando sérios alvores. Uma fonte externa dos Estados Unidos entrando para tentar se parecer com ajudantes, acho que eles conseguiram que muitas pessoas as seguissem, depois de mais de metade, acho que eles querem muito jovens. Loucura, saque, completa anarquia até que as pessoas comecem a lutar.

14.) Scott ...

Não é apenas a América, a divisão civil está sendo empurrada para a guerra civil na Europa e no Reino Unido também!
O crash econômico será global como a resposta ...
Este é o jogo final que vem acontecendo há muito tempo.
Espere o microchip da população através dos campos da FEMA para morrer de fome e preppers sendo fuzilados por acumular alimentos.
Certifique-se de que sua comida não está em um só lugar, tenha vários caches, então, se um ou dois forem descobertos, não o deixa com todos os outros fazendo fila para um pão e passando seu novo microchip. 

15.) Tim ...

... Alguém em nosso governo terá a idéia, se eles ainda não o fizeram, de que a melhor maneira de nos unir como uma nação é nos dar um inimigo comum. Então, com a ajuda da mídia, eles demonizarão esse inimigo até o ponto em que nós, como americanos, não podemos mais ficar sentindo ociosos. De repente, todas as outras questões desaparecem e o governo dos EUA está de volta ao controle dos corações e das mentes de seu povo.

16.) Pat ...

Eu acho que a polarização é tão extrema e tão profunda que a melhor coisa para a maioria das pessoas seria para os EUA se dividirem em 3 ou 4 países separados. Eu não acho que teremos paz até que isso aconteça (se isso acontecer). É provável que a alternativa seja um controle extremo pelo governo, a tal ponto que nenhum de nós quer ver ou experimentar.

17.) Ivar ...

O que começará como uma guerra um tanto ideológica (Antifa versus Alt-Right) mais cedo ou mais tarde se transformará em uma guerra de raça definitiva. Naquela época, Antifa deixará de existir (dividida em quadrilhas étnicas). Os brancos em Antifa serão por conta própria e não durarão muito ... A ultra direita continuará a existir, embora possa adotar um nome diferente.
Uma vez que os brancos possuem a maior parte da terra e munições, e são melhor treinados e preparados, provavelmente irão conquistar esta guerra racial.
Eu não acho que seja provável que a guerra racial acabe em breve. Tenho medo de continuar até que os Estados Unidos sejam todos brancos. Uma vez confrontada com uma ameaça existencial, as pessoas podem fazer coisas loucas para garantir que nunca mais possa acontecer novamente.
Isso poderia ter como conseqüência que não só a América do Norte se torna toda branca, mas a América do Sul também.
Um processo semelhante acontecerá na Europa. É bastante provável que os europeus não apenas expulsem o Islã do seu continente, mas removam o planeta completamente e repovoem todo o Oriente Médio.
Estes Antifa provocadores e terroristas islâmicos estão a ter uma aposta terrível. Suas táticas obtêm sucesso (e o mundo inteiro se transforma comunista ou islâmico), ou será a erradicação de todas as pessoas que representam.

18. Renny ...

Pretendo muita guerra de guerrilha. Se a Lei Marcial fosse instituída, eu poderia facilmente imaginar os tipos de Antifa cometendo atos de vandalismo, bombardeando coisas, segurando caminhões de abastecimento. Sneak ataques com grandes impactos chocantes, como atacar crianças em uma escola ou algo assim. Seria perigoso que as pessoas estivessem em determinadas áreas com base na sua raça.
sso pode resultar em violência extrema contra inocentes não-combatentes. As escolas fechariam, as áreas públicas de reunião como shoppings e mercados poderiam ser alvo. As empresas não poderão continuar devido ao vandalismo repetido. Isso, por sua vez, afetaria a cadeia de suprimentos, o que aumentaria o roubo enquanto as pessoas com fome desesperadas faziam o que tinham para poder alimentar suas famílias.

19. Kendall ...

Esta será uma guerra racial, chamas provocadas por George Soros, a fim de desestabilizar o país. É uma agenda marxista que separa o preto contra o branco e causa problemas onde não havia nenhum antes. Os manifestantes pagos, os grupos ativistas financiados por bilionários e o esmagamento da liberdade de expressão através de protestos violentos farão parte de mais divisão.
A confusão ocorrerá porque esta não será uma questão clara, do Norte contra o Sul. O "inimigo" seria difícil de identificar e fácil de confundir. Como você pode dizer se alguém está inclinado para a direita ou se inclinando para a esquerda?
Unidos, estamos de pé ... divididos, os bilionários ganham muito dinheiro com nossa dor. Assim como todas as outras guerras, tudo se resume ao dinheiro e ao controle.

20.) A ...

Eu acho que já estamos vendo a guerra civil, cortesia de Bush, Obama, Trump e agora pessoas que querem "mudar fundamentalmente a América". A "guerra" é entre aqueles que pensam que o sonho americano é a chamada igualdade para todos, coisas gratuitas como cuidados de saúde, licença de maternidade e telefones celulares (porque é o que nossos Pais Fundadores pretendiam - NÃO!) E aqueles de nós que querem reter Sua glória, onde a Vida, a Liberdade e a Perseguição da Felicidade são tudo o que interessa. Não veremos o número de mortes da década de 1860, mas veremos ainda mais ódio, medo e divisão, combinados com ataques ocasionais como Charlottesville. Uma nação dividida não pode suportar e, mais cedo ou mais tarde, seja
Não veremos o número de mortes da década de 1860, mas veremos ainda mais ódio, medo e divisão, combinados com ataques ocasionais como Charlottesville. Uma nação dividida não pode suportar e, mais cedo ou mais tarde, seja um desastre natural, um ataque externo, uma paralisação financeira ou simplesmente consequências da nossa ação, haverá caos, com o medo ser o maior assassino!
As pessoas continuam a falar sobre este evento ...
Eu acho que será mais um processo lento e doloroso, com sérias conseqüências para os filhos de nossas crianças em todo o mundo! O Beacon on the Hill vai sair, e o mundo será mergulhado na escuridão
Algumas imagens feias e aterrorizantes pintadas lá ...
Obrigado, Leitores, como sempre, pela sua visão e participação.
Como você se prepararia para algo assim?
Assim como qualquer outro desastre, a menos que esteja em pleno conflito, suas principais preocupações seriam a falta de provisão e a autodefesa.
Preparar uma falta de fornecimento a longo prazo é a primeira coisa que você deve fazer para estar pronto para isso.
Confira este artigo para as coisas que acabaram de sair pela primeira vez na Venezuela e faça sua lista de acordo.
Estoque em baldes de alimentos de emergência para suprimentos a longo prazo.
Armazene sua despensa com alimentos saudáveis ​​para se manter bem. (Aqui estão todos os meus melhores conselhos para compras de estoques de orçamento).
Certifique-se de que as suas preparações gerais estão em ordem. (Verifique este livro e este curso online).
Você também deve estar preparado para se defender, sua família e sua casa.
Este artigo explica por que é essencial que os preppers sejam armados
Este livro discute segurança doméstica para preppers
Este livro fala sobre a autoproteção para pessoas que não são ninjas do cinturão negro (o título diz que é para as mulheres, mas acho que alguém poderia obter um valor extremo disso).
Este curso mergulha profundamente na psicologia do transtorno civil e como manter você e a sua família seguros.
Seria sábio ser discreto sobre seus suprimentos, pois a falta e a fome causarão que pessoas decentes cometeram atos que de outra forma nunca teriam considerado. 

O que você acha?

Na seção de comentários, deixe-me saber o que você pensa da perspectiva iminente de guerra civil. Conte-me…
Se você acha que já está aqui, apenas não declarado.
O que você acha que as ramificações serão.
Como você acha que as linhas serão desenhadas.
Quem se beneficia mais.
O que o gatilho poderia ser que seria realmente chutar as coisas.
Como você sente que as pessoas devem se preparar para isso
Alternativamente, você pode pensar que não corremos o risco de a Guerra Civil 2.0 realmente ocorrer. Explique seu raciocínio.

Fonte: https://undhorizontenews2.blogspot.pt/

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...