quinta-feira, 20 de abril de 2017

Putin envia tropas para a fronteira da Rússia com a Coréia do Norte depois que a China também envia soldados para sua fronteira por temores de que Trump vai atacar Kim Jong-un, provocando uma onda de refugiados !

Reinforcements: Vladimir Putin is sending troops and equipment to Russia's border with North Korea over fears the US is preparing to attack Kim Jong-un. Footage shows a train carrying Russian tanks to the border in the country's far south east
Reforços: Vladimir Putin está enviando tropas e equipamentos para a fronteira da Rússia com a Coréia do Norte por receio de os EUA se prepararem para atacar Kim Jong-un. Filmes mostra um trem transportando tanques russos para a fronteira no extremo sul do país
Vladimir Putin está enviando tropas e equipamentos para a fronteira da Rússia com a Coréia do Norte por receio de os EUA se prepararem para atacar Kim Jong-un.
O presidente russo teme que haja um enorme êxodo de refugiados norte-coreanos se seu homólogo americano, Donald Trump, lançar uma ação militar contra Pyongyang.
Vem dias depois que emergiu que a China está enviando também 150.000 soldados a sua fronteira do sul para lidar com o maremoto de norte-coreanos Os medos de Pequim fugiriam através da beira se a guerra estourar.
Esta manhã, as filmagens apareceram para mostrar como Putin está reforçando sua fronteira de 11 milhas com a Coréia do Norte ao deslocar tropas e equipamentos.´
Um vídeo pretende mostrar um de três trens carregados com equipamentos militares que se deslocam para a fronteira terrestre de 11 milhas de comprimento entre a Rússia eo estado repressivo.
Outro evidentemente destaca os movimentos de helicópteros militares em direção à fronteira da Coréia do Norte e manobras em terreno acidentado por veículos de combate do exército.

Outros relatos sugerem que houve movimentos militares por estrada também.

Houve preocupações de que, se um conflito estourasse, a Rússia poderia enfrentar um êxodo humanitário da Coréia do Norte.
Mas Putin também foi advertido de que, no caso de uma greve dos EUA contra as instalações nucleares de Kim Jong-un, a contaminação poderia chegar rapidamente à Rússia.

"Os trens ferroviários carregados com equipamento militar que se deslocam para a região de Primorsky via Khabarovsk foram notados pelos locals," relatou primemedia.ru no Extremo Oriente Russian - ligando o desenvolvimento à crise de Coreia norte.

"O movimento de equipamento militar por diferentes meios de transporte para áreas do sul está sendo observado em toda a região Primorsky na semana passada", disse o veterano militar Stanislva Sinitsyn.
Muitos relatam isso à situação na península coreana.

"O vídeo mostra sistemas de artilharia que apoiam tropas em assalto ou enfrentam o agressor".

Ele disse: "O movimento do equipamento militar significa que as autoridades do nosso país estão a acompanhar a situação - e tomar medidas adequadas."

Os movimentos eram "uma medida preventiva, mas necessária".

"Se a situação piorar, especialmente em relação a eventos militares, as forças armadas de todos os países vizinhos, obviamente, monitorá-lo mais de perto, e nós não somos excepção.

"Não é a primeira vez que a Coreia do Norte quebra a paz na região, é por isso que esta situação merece atenção".

O porta-voz militar russo, Alexander Gordeyev, recusou-se a dar as razões exatas para os movimentos de tropas e equipamentos, mas disse que exercícios terminaram recentemente na região TransBaikal da Sibéria.
No entanto, várias fontes locais parecem acreditar que os movimentos estão ligados à crise coreana.O porto naval de Vladivostok - onde a Rússia tem forças militares enormes - está a menos de 100 milhas da Coréia do Norte.Especialista no Estado repressivo, Konstantin Asmolov, disse: "Se os EUA atacarem com mísseis nas instalações nucleares da Coréia do Norte, uma nuvem radioativa chegará a Vladivostok dentro de duas horas".Asmolov, do Instituto do Extremo Oriente da Rússia, alertou que, no caso de uma guerra em grande escala, os "requerentes de asilo famintos inundarão a Rússia".A Rússia, na quarta-feira, bloqueou a condenação pelo Conselho de Segurança da ONU do último teste de mísseis de Pyongyang - embora a China, que tem uma grande fronteira com a Coréia do Norte, apoiou a declaração fortemente formulada pelos Estados Unidos.A declaração proposta exigiria que a Coréia do Norte "não realizasse mais testes nucleares" e suspendesse os lançamentos de mísseis.Pyongyang realizou um teste fracassado no domingo.A Rússia queria incluir a linguagem contida em uma declaração anterior enfatizando a necessidade de alcançar uma solução através do diálogo, de acordo com diplomatas do conselho.O vice-ministro das Relações Exteriores de Moscou, Sergei Ryabkov, disse: "Infelizmente, temos que admitir que o risco de um conflito sério na região aumentou substancialmente".Ele pediu uma "demonstração de responsabilidade" de todos os lados para evitar a escalada.

Fonte: https://undhorizontenews2.blogspot.pt/search?updated-max=2017-04-20T09:45:00-03:00&max-results=25

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...