sexta-feira, 28 de abril de 2017

Relatório Declassificado da Intel mostra que o acordo de armas químicas de Obama com Assad foi um completo fracasso !

Soldiers wear mask sas they take part in a military exercise simulating a chemical weapons attack during the international Eager Lion military event on June 2, 2014 at Prince Hashem Bin Abdullah II training center, in Zarqa, 30 km east of Amman, Jordan. The US and the Kingdom of Jordan are conducting Exercise Eager Lion, which has been conducted annually since 2011, and includes countries from five different continents and more than 12,500 participants. Khalil Mazraawi/AFP/Getty Images.O governo sírio deveria renunciar a seu arsenal de armas químicas em 2014 sob um acordo promovido pela administração Obama, mas um relatório de inteligência francês recentemente desclassificado provou ser um fracasso abjeto.
A "avaliação nacional" desclassificada da França analisou provas recolhidas de um ataque sarin, que matou mais de 80 civis na cidade síria de Khan Sheikhoun, no dia 4 de abril. O relatório não só determinou que o regime do presidente sírio Bashar al-Assad estava por trás do ataque, Que as medidas tomadas para garantir Assad desistiu de seu estoque foram muito insuficiente.
"A França avalia que subsistem dúvidas importantes quanto à precisão, exatidão e sinceridade do desmantelamento do arsenal de armas químicas da Síria", diz o relatório. "Em particular, a França avalia que a Síria manteve a capacidade de produzir ou armazenar sarin, apesar do seu compromisso de destruir todas as existências e capacidades. Por último, a França avalia que a Síria não declarou munições táticas (granadas e foguetes), como as utilizadas repetidamente desde 2013. "
O regime de Assad foi obrigado a revelar e abandonar o seu estoque de armas químicas como parte de um acordo de 2013, parcialmente facilitado pelo aliado de Assad, a Rússia. A administração Obama promoveu o acordo depois que Assad usou armas químicas contra civis. Obama havia dito que tais ações forçariam uma resposta militar dos EUA, mas ele não conseguiu se sobrepor à ameaça. Assad matou mais de 1.400 civis no ataque sarin 2013.
Ahmet Uzumcu, chefe da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ), órgão internacional que monitora esses acordos, saudou o acordo como um sucesso.
"Um marco importante nesta missão foi alcançado hoje. A última das substâncias químicas remanescentes identificadas para remoção da Síria foram carregadas esta tarde a bordo do navio dinamarquês Ark Futura ", disse Uzumcu durante uma conferência de imprensa em junho de 2014.
O ex-secretário de Estado, John Kerry, continuou um mês depois com uma volta de vitória nos programas de entrevistas de notícias da manhã de domingo, divulgando "um acordo em que conseguimos 100% das armas químicas [da Síria]".
"Identificado" foi a palavra-chave na declaração de Uzumcu, já que agora está claro que a Síria estava menos do que próxima em contabilizar seus estoques. O relatório francês observou que várias toneladas de um componente-chave usado para produzir sarin conhecido como difluoreto de metilfosfonilo (DF) foram indevidamente explicados.
"A França informou a OPAQ que as explicações da Síria sobre as quantidades de DF declaradas - cerca de 2o toneladas - como tendo sido utilizadas em testes ou perdidas em acidentes foram exageradas", disse o relatório.
Além disso, a inteligência francesa observou várias tentativas por parte da Síria para adquirir "dezenas de toneladas" de isopropanol, o segundo componente chave no sarin, desde 2014.
Talvez a mais chocante, a Equipe de Declaração da OPAQ responsável pelo monitoramento do acordo "não conseguiu obter nenhuma prova da veracidade das declarações da Síria", de acordo com o relatório.
"A própria OPAQ identificou grandes inconsistências nas explicações da Síria sobre a presença de derivados de sarin em vários locais onde nenhuma atividade relacionada com a toxina havia sido declarada", acrescentou.
Vários relatórios publicados desde o último embarque de armas químicas deixaram a Síria confirmar a reivindicação da França.
Os resultados do acordo fracassado falam por si mesmos. Além do ataque a Khan Sheikhoun, o relatório afirma que "houve mais de 100 alegações" do uso do regime de Assad de sarin e gás de cloro.

Fonte: https://undhorizontenews2.blogspot.pt/search?updated-max=2017-04-28T10:10:00-03:00&max-results=25

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...